Archive for April, 2008

Ódio e Lucidez

Monday, April 28th, 2008

 

Por que existem tantas guerras? Por que será que a história humana é tão repleta de violência e brutalidade que chamá-la de selvagem parece uma afronta aos seres silvestres? Não poderia o homem viver em paz com seu próximo e com seu meio ambiente? Sem agredir, sem destruir?

A resposta a essas perguntas é muito mais difícil do que muitos pretendem. A constância das guerras, ano após ano, milênio após milênio – a despeito de toda miséria e sofrimento que trazem – sugere a existência de algo em nossa natureza que nos arrasta para elas. E na verdade esse algo já foi estudado e compreendido pela ciência: Freud, em seu livro “O Mal-estar na Civilização”, chama-o de instinto de agressão e de autodestruição; Konrad Lorenz, ganhador de prêmio Nobel e fundador da moderna ciência da etologia, chama-o de agressividade inata.

Em nosso atual estado de civilização, só testemunhamos a agressividade quando vemos dois semelhantes brigando ou dois países guerreando, e temos boas razões para considerá-la uma deformidade. Mas devemos lembrar que nossa espécie levou milhões de anos para evoluir, e que não fomos biologicamente “moldados” para viver em civilização. Essa mesma agressividade – que hoje perdeu suas funções e tornou-se inadequada às nossas sociedades – foi no passado uma força de vida para a espécie: o impulso no interior de nossos antepassados que lhes permitia defender seu território e sua prole. Por isso ela é um dos quatro grandes impulsos inatos do ser humano, tão importante quanto alimentação, reprodução e fuga.

Lorenz mostrou que a agressividade brota espontaneamente de nós, sem precisar de estímulos ambientais: O sistema nervoso central não age apenas por reação, ou reflexo. Ele pode produzir estímulos por si próprio, e essa é a explicação fisiológica para certos comportamentos espontâneos de animais e humanos (incluindo a agressividade).

Certa vez tentaram-se criar crianças em um ambiente totalmente livre de agressão, oferecendo–se a elas ilimitada tolerância e a satisfação de todos seus desejos. Para desgosto dos “educadores”, o impulso agressivo brotou espontaneamente do interior dessas crianças, que tornaram-se insuportavelmente mal educadas e extremamente agressivas!

Mas reconhecer essa agressividade inata não significa de modo algum justificar a brutalidade. Pelo contrário, talvez seja o único caminho que tenhamos para evitá-la. Lorenz mostra que o impulso agressivo, como qualquer impulso, não pode ser simplesmente suprimido, precisa ser descarregado ou redirecionado. Por isso – para que uma sociedade humana seja viável – seus indivíduos precisam ter meios de redirecionar sua agressividade para algo saudável, como trabalho ou esporte. E, para que essa agressividade não seja mal redirecionada, a sociedade deve impor claríssimos limites de comportamento, com responsabilização dos indivíduos e severas punições.

O quadro se torna ainda mais sombrio quando estudamos a agressividade de grupos. Entra em cena o entusiasmo militante (Lorenz), pelo qual a agressividade de cada membro se une às dos demais e é redirecionada para um grupo distinto.

Freud diz: A vantagem que um grupo cultural obtém, concedendo ao instinto agressivo um escoadouro sob a forma de hostilidade contra intrusos, não é nada desprezível. É sempre possível unir um considerável número de pessoas no amor, enquanto sobrarem outras pessoas para receberem as manifestações de sua agressividade. (…) Não é por acaso que o sonho de um domínio mundial germânico exigisse o anti-semitismo e que a tentativa de estabelecer uma civilização nova e comunista na Rússia encontre o seu apoio psicológico na perseguição aos burgueses.

Essa agressividade tem sido um fertilíssimo instrumento nas mãos de tiranos de má-fé – Marcus Cato, Hitler, Stalin, Mao, George Bush – que canalizam o ódio das massas contra grupos estranhos: cartagineses, judeus, burgueses, reacionários, etc…

Felizmente, existem pessoas que recusam a solução fácil do bode expiatório, e preferem suportar com lucidez a própria dor e ódio, que descarregá-lo indistintamente. Na semana passada, um grupo de familiares das vítimas de 11/09 disseram NÃO a Bush: Fora do Iraque! Não derrame sangue inocente em nome de nossos parentes!

Que dignidade! Tiremos desse exemplo esperança para nosso futuro, e não nos esqueçamos da advertência do passado: “Conhece-te a ti mesmo!”

 

Vamos salvar o Planeta!

Monday, April 21st, 2008

 

 

Algumas dicas práticas que achei importante divulgar para que possamos economizar energia e proteger o nosso lindo planeta. Ele está precisando muito da nossa ajuda.

Tampe suas panelas enquanto cozinha – parece obvio, não é? E é mesmo! Ao tampar as panelas enquanto cozinha você aproveita o calor que simplesmente se perderia no ar.

Use uma garrafa térmica com água gelada – compre daquelas garrafas térmicas de acampamento, de 2 ou 5 litros. Abasteça-a de água bem gelada com uma bandeja de cubos de gelo pela manhã. Você terá água gelada até a noite e evitará o abre-fecha da geladeira toda vez que alguém quiser beber um copo dágua.

Aprenda a cozinhar em panela de pressão – acredite! Dá para cozinhar tudo em panela de pressão: feijão, arroz, macarrão, carne, peixe etc… Muito mais rápido e economizando 70% de gás.

Cozinhe com fogo mínimo – se você não faltou às aulas de física no 2º grau você sabe: não adianta, por mais que você aumente o fogo, sua comida não vai cozinhar mais depressa, pois a água não ultrapassa 100ºC em uma panela comum. Com o fogo alto, você vai é queimar sua comida.

Antes de cozinhar, retire da geladeira todos os ingredientes de uma só vez – evite o o abre-fecha da geladeira toda vez que seu cozido precisar de uma cebola, uma cenoura, etc…

Coma menos carne vermelha – a criação de bovinos é um dos maiores responsáveis pelo efeito estufa. Não é piada. Você já sentiu aquele cheiro pavoroso quando você se aproximou de alguma fazenda/criação de gado? Pois é: é metano, um gás inflamável, poluente, e megafedorento. Além disso, a produção de carne vermelha demanda uma quantidade enorme de água. Para você ter uma idéia, para produzir 1kg de carne vermelha são necessários 200 litros de água potável. O mesmo quilo de frango só consome 10 litros.

Não troque o seu celular – já foi tempo que celular era sinal de status. Hoje em dia qualquer zé mané tem. Trocar por um mais moderno para tirar onda? Ninguém se importa. Fique com o antigo pelo menos enquanto estiver funcionando perfeitamente ou em bom estado. Se o problema é a bateria, considere o custo/benefício trocá-la e descartá-la adequadamente, encaminhando-a a postos de coleta. Celulares trouxeram muita comodidade à nossa vida, mas utilizam de derivados de petróleo em suas peças e metais pesados em suas baterias. Além disso, na maioria das vezes sua produção é feita utilizando mão de obra barata em países em desenvolvimento. Utilize seus gadgets até o final da vida útil deles, lembre-se de que eles certamente não foram nada baratos.

Compre um ventilador de teto – nem sempre faz calor suficiente para ser preciso ligar o ar condicionado. Na maioria das vezes um ventilador de teto é o ideal para refrescar o ambiente, gastando 90% menos energia. Combinar o uso dos dois também é uma boa idéia. Regule seu ar condicionado para o mínimo e ligue o ventilador de teto.

Use somente pilhas e baterias recarregáveis – é certo que são caras, mas ao uso em médio e longo prazo elas se pagam com muito lucro. Duram anos e podem ser recarregadas em média 1000 vezes.

Limpe ou troque os filtros o seu ar condicionado – um ar condicionado sujo representa 158 quilos de gás carbônico a mais na atmosfera por ano.

Troque suas lâmpadas incandescentes por fluorescentes – lâmpadas fluorescentes gastam 60% menos energia que uma incandescente. Assim, você economizará 136 quilos de gás carbônico anualmente.

Escolha eletrodomésticos de baixo consumo energético – procure por aparelhos com o selo do Procel (no caso de nacionais) ou Energy Star (no caso de importados).

Não deixe seus aparelhos em standby – simplesmente desligue ou tire da tomada quando não estiver usando um eletrodoméstico. A função de standby de um aparelho usa cerca de 15% a 40% da energia consumida quando ele está em uso.

Mude sua geladeira ou freezer de lugar – ao colocá-los próximos ao fogão, eles utilizam muito mais energia para compensar o ganho de temperatura. Mantenha-os afastados pelos menos 15cm das paredes para evitar o superaquecimento. Colocar roupas e tênis para secar atrás deles então, nem pensar!

Descongele geladeiras e freezers antigos a cada 15 ou 20 dias – o excesso de gelo reduz a circulação de ar frio no aparelho, fazendo que gaste mais energia para compensar. Se for o caso, considere trocar de aparelho. Os novos modelos consomem até metade da energia dos modelos mais antigos, o que subsidia o valor do eletrodoméstico a médio/longo prazo.

Use a máquina de lavar roupas/louça só quando estiverem cheias – caso você realmente precise usá-las com metade da capacidade, selecione os modos de menor consumo de água. Se você usa lava-louças, não é necessário usar água quente para pratos e talheres pouco sujos. Só o detergente já resolve.

Retire imediatamente as roupas da máquina de lavar quando estiverem limpas – as roupas esquecidas na máquina de lavar ficam muito amassadas, exigindo muito mais trabalho e tempo para passar e consumindo assim muito mais energia elétrica.

Tome banho de chuveiro – e de preferência, rápido. Um banho de banheira consome até quatro vezes mais energia e água que um chuveiro.

Use menos água quente – aquecer água consome muita energia. Para lavar a louça ou as roupas, prefira usar água morna ou fria.

Pendure ao invés de usar a secadora – você pode economizar mais de 317 quilos de gás carbônico se pendurar as roupas durante metade do ano ao invés de usar a secadora.

Nunca é demais lembrar: recicle – recicle no trabalho e em casa. Se a sua cidade ou bairro não tem coleta seletiva, leve o lixo até um posto de coleta. Existem vários na rede Pão de Açúcar. Lembre-se de que o material reciclável deve ser lavado (no caso de plásticos, vidros e metais) e dobrado (papel).

Faça compostagem – cerca de 3% do metano que ajuda a causar o efeito estufa é gerado pelo lixo orgânico doméstico. Aprenda a fazer compostagem: além de reduzir o problema, você terá um jardim saudável e bonito.

Reduza o uso de embalagens – embalagem menor é sinônimo de desperdício de água, combustível e recursos naturais. Prefira embalagens maiores, de preferência com refil. Evite ao máximo comprar água em garrafinhas, leve sempre com você a sua própria.

Compre papel reciclado – produzir papel reciclado consome de 70 a 90% menos energia do que o papel comum, e poupa nossas florestas.

Utilize uma sacola para as compras – sacolinhas plásticas descartáveis são um dos grandes inimigos do meio-ambiente. Elas não apenas liberam gás carbônico e metano na atmosfera, como também poluem o solo e o mar. Quando for ao supermercado, leve uma sacola de feira ou suas próprias sacolinhas plásticas.

Plante uma árvore – uma árvore absorve uma tonelada de gás carbônico durante sua vida. Plante árvores no seu jardim ou inscreva-se em programas como o SOS Mata Atlântica ou Iniciativa Verde.

Compre alimentos produzidos na sua região – fazendo isso, além de economizar combustível, você incentiva o crescimento da sua comunidade, bairro ou cidade.

Compre alimentos frescos ao invés de congelados – comida congelada além de mais cara, consome até 10 vezes mais energia para ser produzida. É uma praticidade que nem sempre vale a pena.

Compre orgânicos – por enquanto, alimentos orgânicos são um pouco mais caros pois a demanda ainda é pequena no Brasil. Mas você sabia que, além de não usar agrotóxicos, os orgânicos respeitam os ciclos de vida de animais, insetos e ainda por cima absorvem mais gás carbônico da atmosfera que a agricultura “tradicional”? Se toda a produção de soja e milho dos EUA fosse orgânica, cerca de 240 bilhões de quilos de gás carbônico seriam removidos da atmosfera. Portanto, incentive o comércio de orgânicos para que os preços possam cair com o tempo.

Ande menos de carro – use menos o carro e mais o transporte coletivo (ônibus, metrô) ou o limpo (bicicleta ou a pé). Se você deixar o carro em casa 2 vezes por semana, deixará de emitir 700 quilos de poluentes por ano.

Não deixe o bagageiro vazio em cima do carro – qualquer peso extra no carro causa aumento no consumo de combustível. Um bagageiro vazio gasta 10% a mais de combustível, devido ao seu peso e aumento da resistência do ar.

Mantenha seu carro regulado – calibre os pneus a cada 15 dias e faça uma revisão completa a cada seis meses, ou de acordo com a recomendação do fabricante. Carros regulados poluem menos. A manutenção correta de apenas 1% da frota de veículos mundial representa meia tonelada de gás carbônico a menos na atmosfera.

Lave o carro a seco – existem diversas opções de lavagem sem água, algumas até mais baratas do que a lavagem tradicional, que desperdiça centenas de litros a cada lavagem. Procure no seu posto de gasolina ou no estacionamento do shopping.

Quando for trocar de carro, escolha um modelo menos poluente – apesar da dúvida sobre o álcool ser menos poluente que a gasolina ou não, existem indícios de que parte do gás carbônico emitido pela sua queima é reabsorvida pela própria cana de açúcar plantada. Carros menores e de motor 1.0 poluem menos. Em cidades como São Paulo, onde no horário de pico anda-se a 10km/h, não faz muito sentido ter carros grandes e potentes para ficar parados nos congestionamentos.

Use o telefone ou a Internet – a quantas reuniões de 15 minutos você já compareceu esse ano, para as quais teve que dirigir por quase uma hora para ir e outra para voltar? Usar o telefone ou skype pode poupar você de stress, além de economizar um bom dinheiro e poupar a atmosfera.

Voe menos, reúna-se por videoconferência – reuniões por videoconferência são tão efetivas quanto as presenciais. E deixar de pegar um avião faz uma diferença significativa para a atmosfera.

Economize CDs e DVDs – CDs e DVDs sem dúvida são mídias eficientes e baratas, mas você sabia que um CD leva cerca de 450 anos para se decompor e que, ao ser incinerado, ele volta como chuva ácida (como a maioria dos plásticos)? Utilize mídias regraváveis, como CD-RWs, drives USB ou mesmo e-mail ou FTP para carregar ou partilhar seus arquivos. Hoje em dia, são poucos arquivos que não podem ser disponibilizados virtualmente ao invés de em mídias físicas.

Proteja as florestas – por anos os ambientalistas foram vistos como “eco-chatos”. Mas em tempos de aquecimento global, as árvores precisam de mais defensores do que nunca. O papel delas no aquecimento global é crítico, pois mantém a quantidade de gás carbônico controlada na atmosfera.

Considere o impacto de seus investimentos – o dinheiro que você investe não rende juros sozinho. Isso só acontece quando ele é investido em empresas ou países que dão lucro. Na onda da sustentabilidade, vários bancos estão considerando o impacto ambiental das empresas em que investem o dinheiro dos seus clientes. Informe-se com o seu gerente antes de escolher o melhor investimento para você e o meio ambiente.

Informe-se sobre a política ambiental das empresas que você contrata – seja o banco onde você investe ou o fabricante do xampu que utiliza, todas as empresas deveriam ter políticas ambientais claras para seus consumidores. Ainda que a prática esteja se popularizando, muitas empresas ainda pensam mais nos lucros e na imagem institucional do que em ações concretas. Por isso, não olhe apenas para as ações que a empresa promove, mas também a sua margem de lucro alardeada todos os anos. Será mesmo que eles estão colaborando tanto assim?

Desligue o computador – muita gente tem o péssimo hábito de deixar o computador de casa ou da empresa ligado ininterruptamente, às vezes fazendo downloads, às vezes simplesmente por comodidade. Desligue o computador sempre que for ficar mais de 2 horas sem utilizá-lo e o monitor por até quinze minutos.

Considere trocar seu monitor – o maior responsável pelo consumo de energia de um computador é o monitor. Monitores de LCD são mais econômicos, ocupam menos espaço na mesa e estão ficando cada vez mais baratos. O que fazer com o antigo? Doe a instituições como o Comitê para a Democratização da Informática.

No escritório, desligue o ar condicionado uma hora antes do final do expediente -
Não permita que as crianças brinquem com água – banho de mangueira, guerrinha de balões de água e toda sorte de brincadeiras com água são sem dúvida divertida, mas passam a equivocada idéia de que a água é um recurso infinito, justamente para aqueles que mais precisam de orientação, as crianças. Não deixe que seus filhos brinquem com água, ensine a eles o valor desse bem tão precioso.

No hotel, economize toalhas e lençóis – use o bom senso… Você realmente precisa de uma toalha nova todo dia? Você é tão imundo assim? Em hotéis, o hóspede tem a opção de não ter as toalhas trocadas diariamente, para economizar água e energia. Trocar uma vez a cada 3 dias já está de bom tamanho. O mesmo vale para os lençóis, a não ser que você mije na cama…

Participe de ações virtuais – a Internet é uma arma poderosa na conscientização e mobilização das pessoas. Um exemplo é o site num período de 8 horas, isso equivale a 12,5% de economia diária, o que equivale a quase um mês de economia no final do ano. Além disso, no final do expediente a temperatura começa a ser mais amena. ClickÁrvore, que planta árvores com a ajuda dos internautas. Informe-se e aja!

Instale uma válvula na sua descarga – instale uma válvula para regular a quantidade de água liberada no seu vaso sanitário: mais quantidade para o número 2, menos para o número 1!

Não peça comida para viagem – se você já foi até o restaurante ou à lanchonete, que tal sentar um pouco e curtir sua comida ao invés de pedir para viagem? Assim você economiza as embalagens de plástico e isopor utilizadas.

Regue as plantas à noite – ao regar as plantas à noite ou de manhãzinha, você impede que a água se perca na evaporação, e também evita choques térmicos que podem agredir suas plantas.

Freqüente restaurantes naturais /orgânicos – com o aumento da consciência para a preservação ambiental, uma gama enorme de restaurantes naturais, orgânicos e vegetarianos está se espalhando pelas cidades. Ainda que você não seja vegetariano, experimente os novos sabores que essa onda verde está trazendo e assim estará incentivando o mercado de produtos orgânicos, livres de agrotóxicos e menos agressivos ao meio-ambiente.

Vá de escada – para subir até dois andares ou descer três, que tal ir de escada? Além de fazer exercício, você economiza energia elétrica dos elevadores.

Faça sua voz ser ouvida pelos seus representantes – use a Internet, cartas ou telefone para falar com os seus representantes em sua cidade, estado e país. Mobilize-se e certifique-se de que os seus interesses – e de todo o planeta – sejam atendidos.

Vamos todos ajudar a salvar nosso lindo planeta!

 

Happy Weekend

Saturday, April 19th, 2008

 

Viva!! O weekend chegou!!!

Como já estamos no fim de semana, é hora de pensar em aproveitar um pouco melhor o tempo para pensar em você mesmo(a).

A semana foi um tanto corrida. Um misto de coisas boas, preocupações, realizações, decepções?

Como a semana está encerrando e uma semana nova muito melhor vem por aí! Que tal chegar ao final desta semana com o desafio, pensar um pouco em você?

Para que isso aconteça de verdade, vou escrever algumas coisas aqui para você pensar! São coisas para pensar e se possível por em prática também!

Se você trabalha de segunda a sexta-feira, num ritmo cansativo, use um dos dias do final de semana para resolver todas as pendências da sua casa, mas reserve um dia inteiro para lazer.

Melhor ainda, resolva as pendências domésticas depois do trabalho durante a semana, e dedique o final de semana inteiro para lazer. Procure ver menos televisão. Muito menos.

Que tal reviver um hobby que você costumava praticar. Encontre tempo para ele.

Diga “não” para as coisas que não deixam você entusiasmado(a). Faça coisas que fogem da rotina e que não possuem um sentido de obrigação.

Quando o clima estiver bom, saia de casa. Vá para a rua, para os parques, para as praças, para a praia.

Desenvolva algumas atividades que possam te dar prazer e que não dependam de circunstâncias climáticas para acontecer, ou disponibilidade de outras pessoas.

Não se sinta culpado por não estar fazendo “nada”. Ao contrário, celebre esses momentos de paz.

Pense Grande! O seu trabalho não é aumentar vendas, criar produtos, reduzir custos, controlar pagamentos, carimbar papel, mover caixas. A sua CAUSA deve ser MELHORAR O MUNDO! Acredito que podemos melhorar nossa qualidade de vida, e por conseqüência, a vida de quem está á nossa volta.

Além de um bom dia hoje, quero que você tenha realmente um fim de semana maravilhoso cheio de energia e boa música.

Um happy weekend to you!!!

 

François Kevorkian (Compilation)

Friday, April 11th, 2008

 

 

 

A primeira vez que escutei o François Kevorkian foi em 77 no Club Zanzibar em Newark. Ele tinha acabado de chegar da França.

Naquela época o Zanzibar era o club que reinava na noite. Foi lá também que ouvi o Tony Humphries mixando pela primeira vez. O lugar foi um berço de grandes talentos.

Kevorkian aterissou nos States com o sonho de se tornar um baterista e de explorar novas possibilidades de trabalho. A carreira de baterista não rolou, mas com seu enorme talento e bom gosto musical ele acabou ficando famoso.

Como DJ, o forte dele eram as montagens e medleys exclusivas que produzia. Não dava pra ficar parado. Tem umas com mais de 15 minutos de duração.Você lembra da famosa montagem“Happy Days” do Rare Earth? Pois é, coisa dele também.

Eu dirigia horas para ver ele tocar. Não perdia nenhuma apresentação. Confesso que passava a maior parte da noite sentado bem em cima dos sub woofers para poder sentir na cara (…e na bunda) a força e a precisão das mixagens. Aprendi muito com ele. Mas não fui o único, não! Muitos DJ’s e produtores até hoje são inspirados pelas idéias e pelo estilo que ele criou.

Por causa do seu grande sucesso no Club Zanzibar, FK foi convidado para tocar em outros clubes importantes da cidade incluindo o Paradise Garage, Loft, Studio 54, Les Mouches, Better Days entre outros. Eram festas especiais onde ele tocava junto com Larry Levin e Tony Humphries…foram noites inesquecíveis.

Em 78, ele recebeu uma oferta para trabalhar na Prelude Records. O primeiro disco que produziu foi o“In The Bush” do Musique que logo estorou nas paradas e acabou até virando um hino das pistas. Muitos outros trabalhos importantes vieram em seguida. Quem não lembra de “You Are The One For Me” e “Keep On” do D Train ou até da “Beat The Street” da Sharon Reed? Todos culpa dele.

A carreira do Kevorkian decolou mesmo quando ele começou a produzir remixes para o Eurythmics, Jean Michael Jarre, Jimmy Cliff, Foreigner, U2, Diana Ross, Mick Jagger, Ashford & Simpson e Pet Shop Boys entre outros. Muitos destes trabalhos fazem agora parte do arquivo do “Hall Of Fame” da Dance Music.

François Kevorkian sempre teve uma legião enorme de admiradores. Até hoje, ele consegue lotar todos os clubes por onde passa. Recentemente, ele esteve aqui em Miami tocando no WMC. O seu bom gosto musical é contagiante. Toda vez que ele aparece aqui na cidade a galera fica maluca.

Para comemorar a passagem do grande mestre pela cidade, resolvi trazer algumas das suas produções mais recentes. Como você poderá ouvir, a compilação traz um FK bem diferente do tradicional. Aqui, ele explora um estilo mais lounge, jazzy, hip e sexy. É muito legal.

Enjoy the music…happy vibes.

 

Fluid X – Change

Blue 6 – Do Ya Like It (Body & Soul Dub Version)

Sun Orchestra- Drifting

Nathan Rayes & Verna Francis – Earth Is The Place (Restless Soul Peak Mix)

François Kevorkian – Enlightenment

Eric Kupper pres. Organika – Havana

Moments of Soul – Love Is

ADNY & Tomas Castro – Omato Grosso

Papillon – Strong Blend (Fully Roasted Miami Mix)

Boyd Jarvis – Sunny Days

Blue 6 – Sweeter Love (Jay’s Full Vocal Mix)

Itaal Shur pres. Milk & Honey – Touch (Attoboy Dub)

 

Miami Grooves 2008 (WMC)

Tuesday, April 8th, 2008

 

 

Miami…terra de sol, praia e muita música. Aqui a música não para. Ela está presente em todas as partes. Dos clubs de South Beach aos hip lounges, barzinhos e restaurantes do novo Design District, Miami é como um enorme jukebox que nunca pára de tocar.

Com a recente passagem do Winter Music Conference pela cidade, Miami ficou ainda mais agitada. Este ano o WMC superou todas as expectativas. A energia do evento foi enorme e um vibe muito legal tomou conta das festas, shows, palestras e workshops. Um recorde de atendência.

Quando o WMC chega na cidade, Miami se transforma numa enorme pista de dança.

O tempo estava perfeito. Muito sol, praia, céu azul, brisa gostosa, gente bonita e muita descontração. A galera aterrisou em massa e com muita vontade de dançar e curtir as novidades.

Conheci muita gente nova e ouvi muitas músicas legais e, como não poderia deixar de fazer, resolvi mixar e publicar algumas pra você. Quer ouvir?

Este é um mix especial que traz algumas das músicas que ouvi durante a conferência. Os destaques vão para o sensacional remix da Samantha James -”Breath You In” produzido pelo Eric Kupper e Chuck Love – “Moonlight” que é uma outra que continua tocando muito por aqui junto com o“Inner Peace” do Aaron Sontag e da Nica Brooke.

Enjoy the mix.

 

Julinho’s WMC Grooves (Miami 2008)


 

Seja Criança

Tuesday, April 1st, 2008

 

Nós precisamos ser crianças. Fazer criancices. Cometer infantilidades. Como elas, estarmos sempre rindo e de bem com a vida. Como elas, aprender a perdoar, a aceitar, a se adaptar e ter respostas para tudo que é complicado na nossa vida. Não querer explicar como nasce um eclipse, apenas apreciá-lo. Não querer explicar como se forma o sorvete, e sim que ele está ali, diante de nós, maravilhosamente delicioso.

O adulto acha que deve ser sério e equilibrado. Ele confunde maturidade com aspecto sisudo e fechado. A criança está sempre aberta, criando novas formas de se divertir e aprender, não admitindo ficar parada, numa rotina inquietante.

Até mesmo em momentos difíceis de nossas vidas, deveríamos conversar com uma criança, ela, certamente, dará palpites puros e singelos (com certeza os palpites serão mais aproveitáveis do que os da equipe econômica do governo). Temos muito a aprender com elas. Ou melhor, temos muito a aprender com a nossa própria criança interna, tentando encontrá-la, sempre e trazendo-a para junto de nós.

A criança vê um semelhante em qualquer lugar e corre em direção à ele, pega em seu braço e saem de mãos dadas para brincar.

Talvez os adultos que não tiveram uma infância completa, devessem brincar com seus filhos, sobrinhos e netos, as brincadeiras deles, montando casinhas, ouvindo suas músicas, assistindo desenhos e, se possível correr e pular com eles.

Não devemos ter medo de parecer ridículos, pois já fazemos isso o tempo todo, quando imitamos o modo de vida dos outros, reproduzindo o que a sociedade nos impõe, quando lemos sobre as loucuras que os artistas fazem, pois eles brincam como crianças e ainda ganham uma fortuna para isso.

Vamos nos infantilizar para transformar o mundo numa grande festa, sem malícias, sem maldades, sem caras sérias.

O começo é um pouco difícil, pois corremos o risco de aparecer no serviço, com um bigode de leite nos lábios, a cara cheia de riscos de canetas de pintar e até, quando for pagar a gasolina, ao invés do cartão de crédito, sair o cartão-passaporte do parque de diversões. O jeito é dar uma gostosa gargalhada e convidar o frentista para tomar um sorvete.

Quem estiver lendo esse texto e achar que é uma fantasia ridícula, tudo o que escrevi, acertou, pois é isso que o mundo está precisando, de mais fantasia e menos medo do ridículo.

Se quiserem continuar adultos, sérios e maduros, fiquem a vontade, mas não vão ganhar sorvete.