Archive for the ‘Livros’ Category

Miami Grooves 2008 (WMC)

Tuesday, April 8th, 2008

 

 

Miami…terra de sol, praia e muita música. Aqui a música não para. Ela está presente em todas as partes. Dos clubs de South Beach aos hip lounges, barzinhos e restaurantes do novo Design District, Miami é como um enorme jukebox que nunca pára de tocar.

Com a recente passagem do Winter Music Conference pela cidade, Miami ficou ainda mais agitada. Este ano o WMC superou todas as expectativas. A energia do evento foi enorme e um vibe muito legal tomou conta das festas, shows, palestras e workshops. Um recorde de atendência.

Quando o WMC chega na cidade, Miami se transforma numa enorme pista de dança.

O tempo estava perfeito. Muito sol, praia, céu azul, brisa gostosa, gente bonita e muita descontração. A galera aterrisou em massa e com muita vontade de dançar e curtir as novidades.

Conheci muita gente nova e ouvi muitas músicas legais e, como não poderia deixar de fazer, resolvi mixar e publicar algumas pra você. Quer ouvir?

Este é um mix especial que traz algumas das músicas que ouvi durante a conferência. Os destaques vão para o sensacional remix da Samantha James -”Breath You In” produzido pelo Eric Kupper e Chuck Love – “Moonlight” que é uma outra que continua tocando muito por aqui junto com o“Inner Peace” do Aaron Sontag e da Nica Brooke.

Enjoy the mix.

 

Julinho’s WMC Grooves (Miami 2008)


 

Linha D'Água

Monday, April 2nd, 2007

 

livro_linhadagua_gd.jpgA aventura de construir o Paratii 2: do sonho e da determinação de fazer um barco “leve como canoa, forte como rebocador”, nascem histórias de projetos, estaleiros e marinas. Seis anos depois do sucesso do livro “Mar Sem Fim“, o nosso grande e fantástico Amyr Klink descreve os bastidores das grandes viagens.

“Como você consegue se adaptar, depois de tantos meses no mar?”. Em seu novo relato sobre barcos e viagens, Amyr confessa não conseguir deixar de se espantar com essa pergunta “típica de desmiolados que imaginam haver no mar tempo sobrando para fazer filosofia”. E basta singrar as páginas de suas novas memórias afetivas – um afeto por homens e barcos (nessa ordem, sem a menor dúvida) – para partilhar do espanto de um autor cada vez mais direto e incisivo ao discursar sobre suas paixões.

Eu fico fascinado ao ler as histórias do Amyr. Suas narrativas tocam muito fundo no meu coração. Cada página traz novas descobertas. Cada capítulo uma nova aventura. O que mais adoro no Amyr é a simplicidade em tudo que faz. Aprendi muito também – com ele e com a Marina – como é preciso pouco para ser feliz.

A história do livro gira em torno do planejamento, construção, lançamento e navegação do Paratii 2, “um barco simples como canoa e cargueiro como navio”. E a busca dessa simplicidade e dessa amplidão demanda um tempo que no mar é sempre escasso, um tempo que aflige enquanto não produz resultado, mas que permite armazenar na memória tudo que contribuiu para que o barco de Amyr fosse o mundo – repleto de tipos antológicos, apetrechos insuspeitados, como um “enganchador de moças” e “bichos peçonhentos” perfuradores de dedos aventureiros, e momentos de tensão em que dez segundos podem decidir o destino do navegador.

velaria_05.jpg

Viver é uam atividade arriscada. Nunca se sabe o dia de amanhã. Mas aprendi muito com o Amyr ao perceber que esses riscos podem ser resolvidos antes da partida, e aí viver a vida se torna um prazer, e não uma constante preocupação.

No livro, você vai acompanhar o nascimento do interesse de Amyr pelos barcos, sua enorme paixão pelas canoas de Paraty, as leituras desfrutadas no sótão e as histórias recolhidas pelo mar. Vai conhecer também as pesquisas, os testes e as viagens empreendidas para realizar o sonho de um barco capaz de passar anos inteiros nas terras geladas da Antártica e levar na tripulação crianças e suas fantasias infantis.

LINHA D’ÁGUA – Entre Estaleiros e Homens do Mar, é um livro que traz um barco como tema e o homem como porto. E, como toda boa história marítima, tem até tesouro enterrado.

O livro é uma maravilhosa lição de vida, coragem, amor e perseverança. Você tem que ler!!!

 

Mensagem do Dia

Tuesday, March 27th, 2007

 

“Passados dois meses de tantas histórias, comecei a pensar no sentido da solidão… solidão foi a única coisa que não senti depois de partir. Nunca. Em momento algum. Estava, sim atacado por uma voraz saudade. De tudo e de todos, de coisas e pessoas que há muito tempo não via. Mas a saudade às vezes faz bem ao coração. Valoriza os sentimentos, acende as esperanças e apaga as distâncias. Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudade, mas nunca estará só”.

Trecho do livro “Cem Dias Entre Céu e Mar” – Amyr Klink

 

O Primeiro DJ do Brasil

Thursday, November 16th, 2006

 

ft_atjseuoswaldo.jpg

 

A história do Seu Osvaldo Pereira ficou conhecida através do livro “Todo DJ já Sambou”, da jornalista Cláudia Assef. Esse papo de DJ (ou discotecário, como ele prefere ser chamado) começou porque Osvaldo não tinha dinheiro suficiente para freqüentar os bailes nos salões chiques de São Paulo. Por isso, em 1958, ele construiu um sistema de som com pouco mais de 100 watts (algo incrível para a época) e começou a fazer festas no bairro de Vila Guilherme, onde mora até hoje. No ano seguinte ele já assumia a “residência” dos domingos no Clube 220, um dos bons salões da época e os ingressos eram bem mais baratos, pois não era necessário gastar dinheiro para contratar os músicos das orquestras.

As pessoas, que naquela época estavam acostumadas a freqüentar bailes com apresentações ao vivo, não entendiam de onde vinha o som. Aí Osvaldo teve a idéia de divulgar que aquelas festas eram animadas pela orquestra invisível e então, ele adicionou um complemento em inglês para ficar mais “chique”. Assim nasceu a “Orquestra Invisível Let´s Dance”, que fez bastante sucesso na época.

O velhinho também pode ser considerado o precursor das raves de praia! Em 1963, ele já montava bailes nas areias de Santos.

 

Colaboração: Bruno Sales Dell” Antonio